Pular para o conteúdo principal

Tiradentes foi mesmo um mártir?

 

Martírio Tiradentes
Martírio De Tiradentes – Aurélio de Figueiredo (1854-1916) (Domínio Público)



Descubra ainda o porquê da imagem do inconfidente mineiro homenageado em 21 de abril ser semelhante às representações de Jesus Cristo

Sim, Joaquim José da Silva Xavier, popularmente conhecido como Tiradentes, foi um mártir! De acordo com o dicionário Michaelis, a palavra mártir define “pessoa a quem foi infligida tortura e/ou pena de morte pela defesa obstinada da fé cristã”. Além disso, define ainda aquele “que sofreu pena de morte e/ou tortura decorrente de sua opinião ou crença”.

Mas, ao contrário dos mártires mortos por não renunciarem sua fé em Deus, o ilustre confidente mineiro lutava por ideais políticos. Tiradentes desejava a independência de Minas Gerais.

E mesmo não ocupando um altar, ele foi amplamente retratado de forma santificada, assim como Santo Estêvão, São Sebastião e outros mártires católicos. De acordo com historiadores, não existe nenhum retrato fiel de Tiradentes. Na verdade, sua imagem só surgiu anos mais tarde e teve como referência quadros de Jesus Cristo. Ou seja: um homem de barba e cabelos longos.

Imagem de Tiradentes
Tiradentes – André Delpino (1864-1942)
(Domínio Público)

Tiradentes: a criação de um mártir

Registros históricos apontam que a primeira imagem de Tiradentes é de 1889. Na ocasião, coube ao renomado artista André Delpino (1864-1942) pintar aquela que passaria a ser a imagem oficial de Tiradentes. Ele então desenhou uma imagem de perfil do mártir da Inconfidência, ainda usando o “laço da morte” envolto ao seu pescoço.

Mas hoje sabe-se que aquela figura de Tiradentes imortalizada nos livros de história está muito aquém da realidade. Inúmeros historiadores já apontaram que ele não poderia apresentar cabelos e barba compridos pois, por ter servido no exército e ser um alferes, Tiradentes poderia no máximo ostentar um pequeno bigode.

Herói ou mito?

Além disso, para evitar problemas com piolhos, as normas de higiene das cadeias exigiam que os presos raspassem as cabeças e mantivessem a barba feita. Essa provavelmente era a aparência de Tiradentes no momento de seu martírio.

Tais explicações estão num artigo do advogado e professor Diego Bayer, disponível no site Justificando, que concluí em seu texto da seguinte forma:

«Logo, tornar Tiradentes parecido com Jesus, era uma boa maneira de torná-lo conhecido aos olhos da nação, e reforçar sua importância. Concluído esta mitificação da imagem de Tiradentes, os representantes republicanos lhe consagraram uma data comemorativa que de fato veio a se tornar feriado nacional, o dia 21 de abril (transformando quase que em nula a data do “Descobrimento do Brasil”, em 22 de abril). E então, será que Tiradentes foi realmente um herói ou será que foi um mártir criado?»

 

 

fonte: Aleteia /Beatriz Camargo - publicado em 21/04/21

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÍDIA, IGREJA E PANDÊMIA

      Paul A. Soukup A ecologia da mídia, um campo particular dos estudos da comunicação, aborda seu objeto como um ecossistema. Para usar a metáfora de um ecossistema natural, esse tipo de estudo imagina a comunicação como um ambiente no qual muitos elementos diferentes interagem. Não contém apenas diferentes meios de comunicação, nomeadamente telefone, rádio, televisão, redes sociais , mídia impressa e assim por diante, mas também pessoas, ideias, culturas, eventos históricos, etc. Como acontece em qualquer ecossistema, qualquer parte, mudando, afeta todas as outras. Mantendo a imagem de um ecossistema natural, por exemplo um lago em uma floresta, a introdução de uma nova espécie de sapo afetará os insetos que vivem perto do lago, as ervas e flores da área, os pássaros, os peixes, sobre

A farsa que é Leandro Karnal

6 de julho de 2016 · por Política sem Filtro     Assisti ao programa Roda Viva em que o entrevistado da vez foi o famigerado professor da Unicamp, Leandro Karnal . O professor começa discutindo o problema da atual polarização do debate político, que faz com que as pessoas considerem inimigas as outras pessoas de pensamentos discordantes; Karnal diz que a “polarização não pensa, apenas adjetiva e rotula ao invés de discutir as ideias”. Toda polarização é burra, diz ele, e acrescenta que, mais que isso, ela vem acompanhada da vontade de eliminar o outro como oponente. Não demora muito, porém, pra que o renomado professor comece a agir conforme este comportamento polarizado, apesar dele mesmo jurar que é superior a essa polarização e que não participa dela, com todo o seu ar de intelectual isento e imparcial. Mas é apenas pose. Ele não escapa dessa polarização entre esquerda x direita, na qual ele se encontra ob