O futuro do ensino segundo Ricardo Semler


Presidente da Semco Partners fundou no Brasil, há 15 anos, a escola Lumiar, cuja metodologia é exportada, hoje, para Estados Unidos e Europa

Igor Ribeiro
22 de maio de 2018 - 8h02

 
Neste 2018, fazem 30 anos que Ricardo Semler lançou seu primeiro livro, Virando a Própria Mesa, e são 15 anos desde a inauguração da escola Lumiar, em São Paulo. Nesse ínterim, o executivo investiu, como presidente da Semco Partners, em diversas linhas de negócio, inclusive uma consultoria internacional para ajudar outras empresas — algumas delas, grandes contas como ABN Amro, Mitsubishi e Deutsche Telecom — a implementarem algumas das ferramentas que tornaram célebre seu método de gestão. Afinal, transformou a empresa familiar que assumiu, em 1982, repleta de dívidas, quando tinha apenas 23 anos. Semler chamou a atenção por fazer a diretoria compartilhar amplas responsabilidades com os funcionários, como definição de horários e de salários, abrir dados de receita e faturamento e implementar benefícios arrojados para a época.

Ricardo Semler (Crédito: Arthur Nobre)

O grupo cresceu e reúne, hoje, 11 empresas em diferentes áreas, desde uma fábrica de equipamentos industriais até uma desenvolvedora de sistemas de recursos humanos. Só o Semco Style Institute, a consultoria de treinamento em modelos de gestão, tem receita de € 100 milhões por ano. Os livros que Semler escreveu sobre seus aprendizados — quatro no total — figuraram entre os mais vendidos do Brasil por anos, foram traduzidos em 40 idiomas e venderam quase três milhões de cópias globalmente.
Na edição 1811 do Meio & Mensagem, que circula esta semana para assinantes, você confere a entrevista completa de Semler sobre a Semco Style, seu processo de liderança e sua análise sobre o quadro político do Brasil atual. A seguir, você lê sobre a Lumiar, que também leva ao ensino um sistema de coparticipação de alunos e, hoje, tem oito unidades com o método no Brasil, entre públicas e privadas, e cinco no exterior.
Meio & Mensagem — A Lumiar nasceu há 15 anos, com a ideia de preparar pessoas para trabalharem em organizações descentralizadas e transparentes. Como avalia a jornada da rede de escolas, hoje?
Ricardo Semler — Essa sabedoria não chegou às organizações, o que se relaciona um pouco com a história da Lumiar. Com ela, procuramos dar respostas a esse conjunto de perguntas. Do lado empresarial, tocamos um projeto que demonstrou que não precisava dos apetrechos corporativos para fazer as pessoas quererem trabalhar. Jovens que chegavam à Semco geralmente haviam sido subjugados na escola. Desde os dois anos de idade. “Senta aí e fica quieto, agora você vai fazer isso. Depois, vai fazer aquilo.” Quisemos analisar do ponto de vista do desenvolvimento, para saber aonde havia começado aquele problema. Vinham até nós com 22 anos, ao fim da faculdade, e perguntavam: “O que eu faço? Aonde eu sento? Quem vou ser daqui cinco anos?” Se você der um fast forward nessa mentalidade para millennials, geração Z, percebe um gene defeituoso, o mesmo de anos atrás. Insistem na mensagem de que trabalhar com jovens é ótimo, porque eles trazem o cachorro para o trabalho. Não é bem assim. É uma geração muito autocentrada, que pede demissão quando quer, não cumpre aviso prévio e muitas vezes faz isso sem outro emprego na mão, simplesmente porque cansou e não quer mais. Qual empresa tem sabedoria o suficiente para reunir os melhores desses profissionais jovens — que tem energia mas tem de ser nos termos deles — com profissionais de 60 anos, que têm conhecimento, embora menos disposição? Parte de nossa tentativa de responder a isso é a Lumiar, para tentar verificar quando estragamos essas crianças. Em que momento a gente cismou em ensinar mandarim, robótica e empreendedorismo para crianças de cinco anos? Ser um grande empreendedor hoje já não vale muita coisa. Pegue o cartão de visita do dono de um food truck: estará escrito que ele é cofounder e CEO (risos). Estamos aqui numa linha de montagem, à la Henry Ford, em que pegamos um matemático que diz “as crianças precisam saber somar, depois subtrair, multiplicar, equação, cosseno, semicosseno…” Química, geografia, história… a mesma coisa. Depois, a criança tenta lembrar de tudo e ligar as pontas. Impossível.
Em que momento a gente cismou em ensinar mandarim, robótica e empreendedorismo para crianças de cinco anos? Ser um grande empreendedor hoje já não vale muita coisa. Pegue o cartão de visita do dono de um food truck: estará escrito que ele é cofounder e CEO 
Sempre foi impossível, ou nosso acesso a uma diversidade de fontes e a dispersão de atenção tornou isso impossível nos últimos anos?
Sempre. Tanto que você não conseguiria repetir hoje o mesmo desempenho de qualquer exame que você passou em sua vida escolar. Pode até escolher a matéria. Quando ficou claro que o aluno não ia dar conta do conteúdo, a solução foi produzir uma fraude combinada entre alunos, professores, pais. “Te dei 300 páginas de material de história, mas não dá para estudar tudo. Então vamos fazer assim: vai cair na prova esses 10% de tudo isso aí, você tem tal prazo para estudar.” E geralmente o aluno, ainda assim, vai mal. É um sistema de gradeamento de curva: dos que entenderam o assunto, ele tiraria nota 0,7, mas como isso é inviável porque não convenceria os pais, dos que fizeram a prova, ele tirou 7,5. Então o pai faz de conta que o filho está bem, e o aluno está adorando: “Me diz o que tenho de fazer para você não me encher o saco.” Todo mundo se acostumou com essa fraude, mas começa a ficar desconfortável e obsoleto.
Essa constatação que levou a iniciar a Lumiar? Como foi o processo de concepção da escola?
Reunimos muita gente de educação lá atrás, Paulo Freire, o ex-ministro Paulo Renato, professores, pediatras, psicólogos infantis e perguntamos: Como seria educar hoje, do zero? Criamos um sistema que remete à Paideia grega, em que a criança tem um tutor que é responsável por 12 a 15 pessoas. Ele procura saber como está a vida delas, do seu momento cultural, social, como está o ambiente em casa, mas não dá aula. Pois isso não seria equivalente a 1% do que o Google tem sobre o mesmo assunto. Procuramos alguém que seja apaixonado pelo tema que, mas que não seja o tutor, que já tem outras responsabilidades e rotinas. O que mais tem na sociedade é aposentado, só no Brasil são 680 mil novos por ano. Onde está uma boa parte da sabedoria e interesses, hobbies? Também nos aposentados. Trazemos eles para a escola como mestres. Perguntamos às crianças quem está interessado em quais assuntos e, por meio de nossa plataforma digital, conectamos elas com seus mestres. Para cada tema, um mestre, conectado em tempo real com um aluno, pela plataforma, no mundo todo. O sistema não só conecta essas pontas, como dá baixa nos conteúdos básicos exigidos pelo MEC, a partir dessas conversas. Um curso que dá muito certo à distância, por exemplo, é matemática por meio de um violinista. Não tem como tocar um instrumento sem entender de matemática: aquela nota é uma oitava, um terço etc. Ou um cozinheiro para ensinar porções… Tem também a presença física do mestre, além de avaliações, como dos alunos em relação aos conteúdos, que chamamos de “diário de bordo”, e dos colegas em relação a si mesmos, anônima. Esse conjunto de notas e o desempenho do aluno formam um desenho do que o aluno aprendeu ou não.

Alunos mostram projeto desenvolvido com tutor na Lumiar de São Paulo (Crédito: Divulgação)

Há uma “Semco Style” da Lumiar?
Sim, no Vale do Silício, em São Francisco, e também um escritório em Amsterdã. Fomos testar lá fora para ver se não era uma jaboticaba. Neste um ano e pouco que temos feito isso, abrimos também uma escola na Holanda, em Utrecht, duas na Inglaterra, outra nos Estados Unidos, em Colorado, uma na Bulgária… No mês passado, acertamos a criação de uma escola na Finlândia. Começou a expandir rapidamente. E não queremos ser donos de escola, o que seria mais uma complicação, chegar a 20, 40 escolas etc. Queremos criar um método de ensino self-managed, que as pessoas possam operar a plataforma e montem na sua escola sem estarmos nós necessariamente envolvidos. E temos o máximo interesse em levar isso a escolas públicas.
Da Lumiar original, de São Paulo, já tem se notícia de ex-alunos com esse olhar novo chegando ao mercado de trabalho? Há esse feedback?
Temos duas réguas. A primeira é o quanto eles vão bem segundo os padrões tradicionais: quantos fizeram vestibular, chegaram a boas faculdades, entraram na USP etc. Isso é standard, não é melhor, mas também não é pior. É parecida com outras boas escolas. Nas provas como o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), as Lumiar públicas costumam ter as notas mais altas do município e do estado. O que nós estamos tentando queremos medir mais é quais outras características ou qualidades as crianças da Lumiar têm que as da escola básica não têm. Fazemos há 15 anos um teste simples: vá a uma escola Lumiar e me diz se você não acha aquelas crianças, ao mesmo tempo, parecidas com outras de qualquer outra escola, e um pouco diferentes, no sentido de que falam de igual para igual com você, usando até mesmo termos surpreendentes para a idade deles, sendo mais questionadoras. Não temos um caso relevante de bullying por ano, considerando todas as escolas juntas. Então temos esses indícios, mas alguém precisaria mudar as métricas de teste, para compararmos as escolas na rede Lumiar, porque se verificarmos somente se consegue nota, se consegue transferir para um colégio regular, se passa num vestibular, então sim. Uma parte do que estamos fazendo agora, inclusive com o pessoal do MIT e Harvard, é desenhar esse sistema de avaliação. Eu tenho cinco filhos, todos na Lumiar. Eles têm de estar preparados para qual mundo, para se tornarem o quê? Um dos meus filhos está fazendo 19 anos e, concluída a Lumiar, me falou o seguinte: “Pai, andei pensando… Ou eu escolho uma carreira para ganhar muito e gastar muito dinheiro, com um padrão de vida elevado, mas correndo atrás a vida toda, ou eu aprendo a viver com muito pouco, pois então vou precisar muito pouco e ganho de volta a minha liberdade. Optei pelo segundo”. Ele entrou em geografia social na USP, porque não quer pagar, e vai de ônibus, não quis um carro. As organizações não estão prontas para receber essas pessoas, não tem lugar para elas. O discurso ainda é: “Fica aqui comigo, trabalha bastante, que vou te dar uma promoção, você vai crescer 10% em dois anos…”. Oferecem algo que é pouco valioso num mundo de sabedoria.
Vemos muitas empresas animadas com a história de adotar uma escola, mas quando começou isso, há US$ 1 bilhão atrás, o Brasil estava na 59ª localização no ranking Pisa, hoje está na 65º. Hoje, você pode até lembrar de algumas escolas com bom desempenho, mas para o sistema como um todo, não. A nossa educação hoje é um Chevette 1973, não adianta colocar nela um motor de 2018 e repintar o carro. Tem de trocar o sistema
Muitos jovens, mesmo sem ter a experiência da Lumiar, têm ambições diferentes das gerações anteriores.
Sim, têm. Em geral tem essa fuga do consumismo puro, mas sem uma substituição exata, sem saber exatamente o que se quer. Não sei se a resposta que a Lumiar dá é melhor, a gente acha que é, mas não sabe provar. Foi mês passado que acertamos a criação da escola na Finlândia. Mesmo nesses países que já têm um sistema de ensino avançado, falam que o próximo ciclo de educação é nessa linha. E o Brasil não acompanhou essa evolução no exterior. Estamos fazendo isso tudo porque nosso interesse maior é mudar a escola pública. Os ganhos marginais são: melhorar a gestão, melhorar o crédito, colocar computador, reciclar o professor… São coisas que não têm demonstrado sucesso no decorrer do tempo. Vemos muitas empresas animadas com a história de adotar uma escola, mas quando começou isso, há US$ 1 bilhão atrás, o Brasil estava na 59ª localização no ranking Pisa, hoje está na 65º. Hoje, você pode até lembrar de algumas escolas com bom desempenho, mas para o sistema como um todo, não. A nossa educação hoje é um Chevette 1973, não adianta colocar nela um motor de 2018 e repintar o carro. Tem de trocar o sistema.
Como funciona a parceria do Poder Público?
Precisamos do compromisso dos professores concursados, com a diretora, com as salas, os computadores que já estão lá… É um zero de custo para o governo, ou não seria escalável, então é essencial. Transformamos o professor em tutor e a consultoria dos mestres acontece sem custo. Geralmente, o prefeito ou o secretário testa uma escola. Se lá o projeto anda bem e a fila de espera por vaga aumenta, o problema político está resolvido.
Quais camadas a Lumiar coloca sobre métodos de ensino alternativos já consagrados, como Waldorf, Montessori, Construtivista etc.? Quais são as principais diferenças?
As similaridades estão na produção de projetos entre os alunos, no foco no emocional das crianças… A diferença fundamental é que as escolas construtivistas, antroposóficas etc., tendem a trocar as disciplinas tradicionais por projetos sempre: “em vez de matemática, que é maçante, vamos fazer esse trabalho para entender o tatu-bola”. Ao final de um ano a criança foi exposta àquilo que por acaso virou projeto. Se eu quiser comparar com o currículo nacional do MEC ou com o BNCC (Base Nacional Comum Curricular), ou o currículo americano, é impossível, porque a turma passou um tempo agradável investigando o tatu-bola, investiu 20% do semestre nisso, e não acompanhou os conteúdos de geografia, história, matemática que essas bases recomendam. Com a plataforma digital que criamos, conseguimos dar baixa no currículo do MEC, ou dos Estados Unidos, ou da Inglaterra, ou da Holanda. Essa é a principal diferença.

Com o fácil acesso a plataformas sociais e a um conteúdo produzido em quantidade mas, não raro, de qualidade questionável, incluindo notícias falsas, tem se falado muito em letramento digital. Vocês endereçam esse problema no método, de alguma forma?
Hoje não tem mais uma alfabetização puramente analógica, simplesmente porque as crianças já nascem digitais. Celulares, tablets pré-infantis… À parte disso, fizemos uma parceria com a Intel para criar um projeto que colocava a alfabetização digital antes da analógica. Queríamos saber qual processo cognitivo se formava se começasse no digital para depois ir, por exemplo, para a caligrafia. Hoje, em qualquer escola de São Paulo, inclusive nas particulares mais caras, as crianças estão aprendendo caligrafia com letra cursiva. Se me der uma caneta, eu acho que nem sei mais como escrever. Preciso reaprender. O letramento digital é muito mais que isso e muito mais do que escrever no computador, e a gente faz o que chamamos de “leitura de mundo”, que ocorre na primeira hora de todo início de dia nas escolas Lumiar: os alunos abrem um jornal digital ou um bom site de conteúdo e selecionam três notícias para tentar entender. Começam a entender fontes, quem disse, de onde veio e até fake news. Então esse questionamento é muito forte. Além disso, uma vez por semana os alunos têm a roda, quando eles se juntam para resolver diversas questões, até mesmo administrativas, podem até suspender ou expulsar colegas. A partir dos quatro, cinco anos de idade, eles já começam a experimentar processos de participação e cidadania muito fortes.
Desde as transformações na Semco, passando por todo seu histórico como consultor e autor especializado em gestão, chegando à Lumiar: Qual foi seu principal aprendizado dessa trajetória?
Acredito que o timing da mistura de ideias com execução é o grande obstáculo para tudo. É o que explica tanto o Zuckerberg, como as poucas coisas que eu fiz que deram certo, como as muitas outras que fiz que deram errado. Achar esse timing do que parece ser a execução de uma boa ideia é fundamental. Há 22 anos fizemos uma empresa chamada Homework, que tinha 14 casas de coworking por São Paulo, que funcionavam com um cartão magnético, pelo qual você pagava periodicamente… Fechou há 19 anos. Tivemos há 18 anos a Semco Energia Eólica, que fechou quatro anos depois. A Lumiar era algo de doido na concepção, era meio estranha há 15 anos, meio alternativa há dez, e virou de vanguarda só nos últimos dois ou três anos. Mas não mudou nada desde o início, é igualzinha, o mundo que mudou nesse meio tempo. Apesar de sorte ser um grande componente de tudo, acertar o timing tem sido o maior aprendizado. Que inclusive ainda não completei.
 
 
A íntegra desta reportagem está publicada na edição 1811, de 21 de abril, exclusivamente para assinantes do Meio & Mensagem, disponível nas versões impressa e para tablets iOS e Android.



O futuro do ensino segundo Ricardo Semler – Meio

Hilaire Belloc: Defensor da Fé


  • FREDERICK D. WILHELMSEN

Se tivéssemos dez Bellocs no mundo católico de língua inglesa nos últimos cinquenta anos, poderíamos ter convertido todo o kit-e-caboodle e evitado a bagunça em que nos encontramos hoje.


aabelloc.jpg
Hillaire Belloc
(1870-1953)
Com essa declaração impossível atrás de mim, eu poderia começar com uma história contada sobre ele - ele era um homem que colecionava mitos sobre sua pessoa, e não posso verificar a verdade disso. Ao ser honrado com uma decoração papal até a velhice, Belloc se recusou a gastar o dinheiro necessário para comprar a medalha e resmungou: "O que eles diriam se eu mudasse de idéia?"
Hilaire Belloc não foi construído para se adaptar a qualquer tecido fabricado pelo homem mortal. Embora muitas vezes ele reclamasse sobre sua própria idade (não estou falando de sua idade cronológica - ele sempre reclamou disso!), Mas de seu momento no tempo -, Belloc teria sido impossível em qualquer outra época. Crescendo como ele, no crepúsculo do reinado da rainha Vitória, piscando brilhantemente em versos sem sentido e política radical no tempo do rei Eduardo VII, uma criança prodígio chamada por sua tia "Old Thunder", Hilaire Belloc repousou sobre uma ampla A sociedade inglesa de classe média alta que o leu, primeiro o adorou, depois, com bom humor, o tolerou e, por fim, isolou-o. "Eu já fui bem-vindo naquela casa", comentou melancolicamente quando o automóvel em que dirigia passou pela casa de um homem extremamente rico. Sua defesa intransigente de todas as coisas católicas primeiro divertiu uma nobreza letrada e basicamente cética em busca de novidade; então ofendido; finalmente, foi considerado intolerável.
AN Wilson em sua biografia de Belloc escreveu: "Se eu criasse um personagem em um romance como Hilaire Belloc, as pessoas não acreditariam nisso". Belloc era um paradoxo: um poeta lírico que nunca leu nenhuma poesia contemporânea; um rhymester cujos altos ainda encantam as crianças; um artilheiro em bivouac em Toul que cheirou a Revolução como "a França passou"; um monarquista envelhecido que saboreou a última acusação de Charles I em Naseby; o mais versátil e certamente o melhor estilista inglês em prosa neste e possivelmente em qualquer século, que resmungou da liberdade de seu velho barco espancado, o Nona, "caro leitor, leia menos e navegue mais" mesmo enquanto ele desejava maiores e melhores pagando audiências; o perpétuo andarilho vagando pela Europa, ardendo por aventuras, ao mesmo tempo em que cantava os louvores de um campesinato enraizado e de uma lareira impregnada de tradições temperamentais que "pararam a crueldade do tempo"; o inimigo dos ricos e da ganância capitalista, que uma vez pediu um balde de dinheiro como presente de aniversário; o apaixonado defensor da Verdade, que uma vez reclamou, no entanto, "que a verdade sempre manca"; o baterista de um catolicismo de língua inglesa que ele ajudou a se orgulhar.

Na minha última contagem, Hilaire Belloc escreveu 153 livros. O negócio tem a ver com vigor, um enorme desejo pela vida e uma disposição para cometer erros. Belloc não dava a mínima para o que alguém pensava dele. Ele escreveu sua vida do rei James II em um hotel à beira do Saara em dez dias: "É cheio de bugios e é fruto da liberdade". Ele andou até Roma quando jovem, entrando no Caminho dos Apianos em uma carroça puxada por mulas - mas com os pés arrastando-se na estrada para que seu juramento não fosse quebrado.
Seu vigor era lendário e eu mencionei também sua paixão pela vida. Belloc - e esta é uma chave para entender que seu papel como apologista católico era um homem totalmente à vontade neste mundo, mas quem sabia disso era uma ilusão de estar tão em casa. Não havia um traço de maniqueísmo nele, e ele chamou o puritanismo, em sua biografia de Luís XIV, de um "mal do abismo", que significa o poço do inferno. Um alpinista, ele era ainda mais um marinheiro. Suas colinas e o mar e o cruzeiro dos Nona são clássicos. Se O Caminho para Roma é o trabalho de um jovem gênio, rolando e rolando seu caminho sobre a montanha e vale em direção à Cidade Eterna, Os Quatro Homens , pelo contrário, chamado por seu autor "A Farrago", foi escrito em solidão misturada com melancólico. Grizzlebeard, o Poeta e o Marinheiro são todos extensões de Mim Mesmo, e Eu Mesmo é Belloc. Somente quando a vida é vivida perto dos sentidos, quando a inteligência está envolvida imediatamente no que é entregue ao homem através do corpo, o paradoxo da tristeza na beleza criada é trazido para casa em toda a sua delicadeza e inexorabilidade. Página após página da escrita de Belloc é perturbada por uma gravidade profunda e conturbada, intensificada pela sua profunda comunhão com as coisas do seu mundo: estalagens inglesas; carvalho velho polido e robusto; rica Borgonha e outros vinhos "aquele porto deles" no "George" bêbado pelo fogo com o qual ele começou este livro; o mar e navios que navegam - mas, por favor, "nenhuma abominação de um motor"; o cheiro das marés. Esses amores correm através dos ensaios de Belloc, temas recorrentes que atestam uma visão poética em movimento em sua simplicidade clássica. Seus olhos estão fixos nas coisas primitivas que sempre nutriram o espírito humano, nas coisas à mão. Ele escreveu:
Todo prazer que conheço provém de uma união íntima entre meu corpo e minha própria mente humana, que por último recebe, confirma, revive e pode invocar novamente o que meu corpo experimentou. De prazeres, no entanto, em que meus sentidos não têm parte, eu não sei nada.
Foi este mesmo homem, enraizado neste mundo e não no próximo, que se tornou o primeiro defensor da Igreja Católica na Inglaterra durante a sua vida. Uma chave para sua compreensão das coisas espirituais foi sua consciência vívida de que todas as coisas boas passam, que a vida é preenchida com o que Allan Tate chamou de "rumores de mortalidade". Em um ensaio chamado "Porto no Norte", Belloc traz seu pequeno cortador sob um longo paredão e lá encontra outro pequeno vaso. O piloto declara que ele está fora para encontrar um refúgio permanente ao norte em um porto de cuja fama ele ouviu. "Nesse lugar, descobrirei novamente todos os momentos de conteúdo que conheci, e os preservarei sem falhar." O estranho, claro, é o marinheiro de Belloc; e eu mesmo, o próprio Belloc, responde de seu próprio barco - o Navio da Mortalidade - "Você não pode fazer o porto.... Não é deste mundo".
Um realismo quase selvagem misturado com a sensibilidade de Belloc, e suas meditações sobre a morte são as mais comoventes em todas as letras inglesas. Leia a execução de Danton, escrita no fogo da juventude; do assassinato do rei Carlos I; da conversão do leito de morte do rei Carlos II; e, finalmente, em seu Comentário Elisabetano , um de seus últimos livros, Belloc se revela: "Ela sentiu que estava deixando de ser ela mesma e é isso que provavelmente a maioria de nós sentirá quando chegar o momento de responder à convocação de Azrael. " O ceticismo emocional de Belloc é mais puro em um ensaio chamado "Cornetto of the Tarquins" em suas Towns of Destiny. Falando daqueles túmulos que são das origens de todos nós, ele nos fala de "a visão subterrânea da morte, o crepúsculo da religião, que eles impuseram a Roma e da qual todos nós herdamos - então como eu pensei para mim mesmo, como eu olhei para o oeste da parede, como o homem pode dizer da vida de toda a nossa raça como da vida de um, que não sabemos de onde veio, nem para onde vai ". Confessando-se cético, numa famosa carta a Chesterton por ocasião da conversão de Chesterton, o ceticismo de Belloc foi conquistado por sua fé, mas a tentação do desespero permaneceu com ele durante toda a vida. Para mim, isso sempre pareceu estranho porque a angústia Heideggeriana e o pavor diante do espectro do Nada parecem as peculiares e muitas vezes terríveis tentações daqueles com uma inclinação mental metafísica - e Belloc não tinha nenhum. Em O Cruzeiro dos Nona , ele escreveu "da metafísica ... quem pode vê-lo e quem pode mordê-lo? Não tem qualquer utilidade". Completamente sem preocupações filosóficas, ele foi assombrado pela tentação de que, no fundo, não há resposta para o enigma da existência humana. Sua conquista daquela aberração tornou sua fé algo difícil, cristalino, sem compromisso. De outras religiões que não a católica, ele tinha um desprezo olímpico e uma impaciência mal disfarçada e imperfeita. Ele não teria se saído bem nestes dias de festas ecumênicas de chá, e a chamada Nova Igreja teria confundido ele. Belloc freqüentemente se esforçou para salientar que a tolerância é sempre um mal menor que não pode ser vencido no momento, mas vencido, deveria ser.
De onde, então, veio o seu catolicismo lírico, pelo qual ele foi para sacrificar a fama, toda a possibilidade de riqueza - Belloc morreu um homem pobre - e cada avenida - havia muitos deles para uma carreira pública na política? Nascido e batizado na Igreja, um católico da infância, seu amor e apreço pela fé vieram a ele quando jovem, mas veio um pouco devagar. De sua vida interior, ele nos diz muito pouco. Francês ao lado de seu pai, Belloc - deve ser lembrado - fez seu serviço militar na artilharia francesa, atrasando assim sua entrada em Oxford quando ele finalmente decidiu permanecer um inglês. Seu francês falado permaneceu como um canhão áspero. A cultura da Europa latina era o ar que ele respirava em sua juventude e à qual ele retornava sempre que podia, navegando pelo canal para reabastecer suas reservas de vinho.
Se eu buscasse uma passagem bíblica que resumisse a visão da fé de Belloc, seria: "Por seus frutos os conhecereis" (Mt 6:30). Ajudado aqui por uma poderosa imaginação visual que foi usada em suas muitas histórias militares, Belloc pôde ver a Igreja trabalhando através dos tempos - e ele adorou o que viu. A Igreja fez a Europa e, assim, acelerou a antiga Ordem Romana, em ruínas, mas de modo algum destruída pelas tribos germânicas do norte. Todas as nossas instituições ocidentais típicas foram ou criadas por homens católicos a partir do nada ou foram herdadas de nossos antepassados ​​pagãos e depois estimuladas de dentro pelo fermento do cristianismo. Embora os termos encarnacional e escatológico não estivessem presentes no tempo de vida de Belloc, ele é um exemplo primordial de um homem com uma compreensão encarnacional da verdade religiosa. Belloc procurava por bênçãos em todos os lugares, e toda a cristandade era para ele uma imensa rede de graças reais.
Fazendo a sua a insistência tomista de que a graça aperfeiçoa a natureza, ele sustentava que a herança da antiguidade clássica era preservada e transfigurada nos fogos da fé. Em nosso mundo - pelo menos como Belloc sabia no que poderia ter sido seu crepúsculo: o assunto é estranho ao meu jornal de hoje - os homens conseguiram um campesinato livre que marcou toda a Europa por séculos. Naquele ordo orbis , a justiça floresceu e os homens livres descobriram que assim sua liberdade a exercia em dois milênios na criação de uma cultura que Belloc uma vez chamou de "a graça permanente deste mundo". Ali todos nós experimentamos não apenas uma cidadania livre, mas a santidade do matrimônio, a dignidade dos homens, o cavalheirismo, a firme rejeição da irresponsabilidade maniqueísta e de toda negação panteísta, o universo sacramental. Estes encontram-se na Europa católica e onde quer que ela tenha estampado seu gênio, e devem ser encontrados como doutrinas corporativas tendendo a realidade em nenhum outro lugar nesta terra.

Belloc entendia uma vida enraizada, próxima da natureza, como sendo humanamente superior à massificação produzida pela civilização moderna. Dê a um homem uma fazenda, uma pequena empresa, uma bigorna de artesão, um barco para navegar, vinho para beber - tudo isso com o amor de Cristo; centrar a vida do homem em torno dos ritmos litúrgicos; e esse homem - pelo menos o homem é grande e tomado pelos poucos - é mais feliz do que sua contraparte industrial. Uma cultura católica tende - e tende a ser a palavra operativa - para esse tipo de vida. Temperando a ganância e a avareza, o homem é mais do que ele mesmo. Como An Wilson observa, em sua introdução a uma nova edição de Os Quatro Homens , Belloc sabia que seu ideal estava condenado, e seu único consolo foi uma alegria profana em deixar todo mundo saber que o mundo estava indo para o inferno: "Eu te disse assim."
Hilaire Belloc, espalhando seus muitos talentos e sua energia incrível através do ensaio, um corpo respeitável de muito bom verso, história militar, romances sem sentido, biografia e livros de viagens, estudos na estrada, polêmica política, teoria econômica, concentrou tudo em um centro, num foco sintetizado: o apostolado da história. Credo em unam, santam, apostolicam eccelesiam , todos nós recitamos - mas Belloc levou a nota da apostolicidade a sério. Não quero dizer isso no sentido de que Belloc mostrou um interesse vivo na controvérsia sobre a sucessão apostólica. Ele tomou isso como uma questão resolvida: Roma locuta est, causa finita . Quero dizer, sim, no sentido de que ele se entendia como um homem chamado para ser um apóstolo. Ronald Knox, em seu panegírico no cemitério de Belloc, chamou-o mais profeta do que apóstolo. Possivelmente tanto Knox quanto eu estamos certos porque Hilaire Belloc era missionário na Inglaterra protestante e sua principal arma era a história. Duvido que isso tenha sido uma decisão consciente, um ato livre exercido em um momento crucial de sua vida. Por temperamento e talento, Belloc foi um historiador. Ele logo concluiu, logo após sua desilusão com a política parlamentar (ele serviu dois mandatos, um como liberal e outro como independente), que o mundo de língua inglesa tinha sido mentido sobre seu passado e sobre seu presente, que essa mentira era ligou-se ao establishment protestante, que data oficialmente de 1689, mas que, de fato, chegou mais longe no passado inglês.
Concordando com Cobbett (que, no entanto, ele raramente citou e que aparentemente teve pouca influência direta sobre ele: os dois homens convergiram em seu julgamento histórico) de que a Reforma Protestante "era a ascensão dos ricos contra os pobres", Belloc desempacotou camada de "história oficial" e virou sua fundação, uma Grande Mentira. O zelo religioso de um punhado de hereges era usado pelas classes mercantis e fundiárias da Inglaterra, ajudadas pela luxúria de Henrique VIII, para abolir a velha Ordem Católica. Se Belloc tivesse algum inimigo real, eram os Whigs. Do conde de Shaftsbury, ele escreveu: "Ele provavelmente está no inferno". Guilherme de Orange ele chamou aquilo de "pequeno pervertido" e, claro, o homem era exatamente isso! Embora Belloc nunca tenha citado o famoso "O Diabo foi o primeiro Whig" de Samuel Johnson, todo o peso da escrita histórica de Belloc produz a mesma conclusão. Mas, embora Belloc detestasse os whigs, ele tinha pouco em comum com os conservadores. Um radical católico populista, um republicano esgotado até a meia-idade, um homem castigado pelo monarquismo, ele teria saído com Bonnie Prince Charlie na década de 45.
O tempo proíbe o meu detalhamento da revolução de Belloc na escrita histórica inglesa. É suficiente dizer - e isso é dito formalmente e completamente sem ênfase retórica - que um homem, Hilaire Belloc, virou toda a escrita da história britânica por aí. Desde Belloc, ninguém consegue escapar com a compreensão da Reforma como o trabalho de almas de mentalidade elevada empenhadas na liberdade e na democracia, almas nobres que trouxeram a Inglaterra das trevas da superstição católica e do obscurantismo medieval. Outros noticiaram Belloc e trocaram sua visão. Eles fizeram bem em fazê-lo, mas a visão era dele - como foi a perseguição do silêncio que se seguiu em seu trabalho.
Se pelos seus frutos os conhecereis, então os frutos da revolta contra Roma foram suficientemente documentados; o mais importante é que eles sofreram tanto os ossos de todos nós que conhecê-los bem é revoltar-se contra a Revolta. Os homens foram banidos em sua dignidade. Eles se encolheram calvinisticamente sob um Deus cruel e implacável que condenou a maioria deles de toda a eternidade ao inferno, e que encheu os celeiros dos salvos. A beleza e a grandeza, e mesmo a languidez, de uma antiga ordem das coisas deram lugar a uma severidade e severidade de estilo e modos que sufocavam a resposta natural do homem à beleza do mundo que Deus criara. Belloc não teria nada disso e expôs a fraude. Por trás dos fanáticos do canto do salmo, repousa o peso do que ele chamou O Poder do Dinheiro, o novo Sistema de Capitalismo e Bancos, que escravizou a Europa à sua ganância. Belloc detalhou tudo em generosa descrição em livro após livro - até o final, ele estava se repetindo. Se a sua prosa nunca se aborrecia, os seus argumentos frequentemente o faziam. O mundo moderno, construído sobre dinheiro e heresia, teve e tem como inimigo a Igreja Católica e a Ordem que ela criou. Muito claramente, Belloc, como era chamado em sua velhice, não gostava do mundo moderno - cinza, anônimo, desprovido de beleza, artesanal ignorante da nobreza, sem dignidade. No entanto, como já foi dito, a Inglaterra de sua época provavelmente foi o único lugar em que ele poderia ter prosperado. Winston Churchill ofereceu-lhe uma grande honra, em nome do rei, no crepúsculo da vida de Belloc, quando as bombas explodiram sobre a Grã-Bretanha. Belloc recusou-o cortesmente.
O Cardeal Ratzinger escreveu, em um artigo sobre a liturgia há pouco tempo, que a única apologética que a Igreja tem para sua verdade são seus santos e sua arte. Nenhuma delas pode ser encontrada em nenhum outro lugar dentro do amplo alcance da aventura do homem através do tempo como elas estão na Igreja. Acredito que Belloc concordaria em parte com o cardeal. Quantas vezes nossa autora parou diante da torre e da igreja, a graça fácil das vilas francesas e inglesas intocadas pelo industrialismo, à medida que explodiam de visão ao amanhecer e depois aumentavam e abençoavam os bosques e colinas que os rodeavam? Quantas vezes não falou da Catedral de Sevilha como a primeira maravilha da arte ocidental e de um homem francês e não espanhol de temperamento? E ele não escreveu o melhor panegírico a Santa Joana d'Arc - nada é melhor - e o faz em um inglês que combina com os franceses de seu próprio tempo? Não: se a Fé não é a resposta para o coração humano, então não há nenhuma. Mas Belloc provavelmente teria acrescentado aos santos de Ratzinger e arte toda a ordem social trazida à existência por homens que sentiram, muitas vezes obscuramente, que se Cristo 'não estivesse no mercado, ele não estava em lugar nenhum. E a isto, apresso-me a acrescentar, de um homem que sustentava que o centro da existência era o tabernáculo do altar. Aqueles próximos a ele testemunharam sua profunda devoção à Eucaristia enquanto os anos o abaixavam. De fato, insistia Belloc, era o ódio e o ataque à transubstanciação que formavam o centro da amargura que movia os reformadores ingleses no século XVI. Leia Belloc no Cranmer. Eles viraram todos os altares ao redor e fizeram deles mesas e, assim, primeiro obscureceram e finalmente negaram o que deu vida a igrejas católicas e deixaram todos os outros templos remanescentes de túmulos.

A fé deve ser combatida e, uma vez vencida - se conquistada apenas precariamente - acariciada e regada, mas não diluída. Assim também com a civilização criada para nós pela Fé: deve ser amada e defendida. Todos poderíamos ler a meditação de Belloc "Muralha da Cidade": no interior, o comércio movimentado de homens decentes que cuidam das panelas e panelas da vida e que adoram a Deus quando ele é levado pelas ruas no ostensório - e sem o inimigo ! Belloc articulou esse inimigo para o seu próprio tempo. O inimigo é o bárbaro, mas sempre usou a palavra analogicamente; e o bárbaro mais velho, antes dos muros, sai melhor do que seu colega moderno de Belloc. "O bárbaro" é o homem que ri das convicções fixas de nossa herança. Ele é o homem com um sorriso perverso nos lábios. Ele está acima de tudo: ele julga o pobre crente na rua ou na igreja, uma velha encolhida diante de um santuário da Virgem resmungando suas contas, e ele a julga asperamente. Já é difícil o suficiente vir pela crença e viver nela, mas jogá-la fora por uma piada barata é desprezível. Tais são os bárbaros.
O Bárbaro espera - e essa é a marca dele, que ele possa ter seu bolo e comê-lo também. Ele consumirá o que a civilização produziu lentamente após gerações de seleção e esforço, mas não se esforçará para substituir tais bens, nem compreenderá a virtude que os criou. Disciplina lhe parece irracional, por conta disso ele está sempre maravilhado com essa civilização, deveria tê-lo ofendido com padres e soldados ... Em uma palavra, o Bárbaro é descoberto em todos os lugares nisto, que ele não pode fazer : destruir, mas que ele não pode sustentar; e de todo bárbaro no declínio ou perigo de toda civilização, exatamente isso tem sido verdade.
Belloc está descrevendo quase todo mundo que você conheceu na sua última festa ou reunião do corpo docente. Bárbaros estão por toda parte.
Ouça Belloc novamente em palavras escritas a partir da solidão do Saara enquanto ele ponderava sobre as ruínas de Timgad:
Nós nos sentamos e observamos o Bárbaro, nós o toleramos; nos longos períodos de paz, não temos medo. Nós somos agradados por sua irreverência, sua inversão cômica de nossas antigas certezas e nossos credos fixos nos refrescam; nós rimos. Mas, quando rimos, somos observados por rostos grandes e terríveis do além: e nesses rostos não há sorriso.
Destes homens ele adicionou - e isto também do deserto "Suas Fés se transformam em lenda, e finalmente eles entram naquele santuário cujo Deus partiu e cujo Ídolo é cego". Quando nosso Senhor desaparece dos santuários domésticos do Ocidente, os tambores são silenciados e os homens adoram abstrações - como fazem hoje - novos ídolos. Mas por trás deles há um poder terrível, e não é deste mundo.

Possuidor de uma mente altamente poética e profética, Belloc possuía também uma inteligência afiada. Seu O Estado Servil é um silogismo prolongado com não uma metáfora em todo o livro. Sua tese geral, argumentada em 1909, de que o Ocidente não estava se movendo em direção ao socialismo puro nem ao capitalismo puro é hoje um lugar comum. Aconteceu. Podemos lamentar ou nos deliciar com nossa sociedade consumista. Tenho a impressão de que Belloc fez um pouco dos dois. Seja como for, sua "sociedade distributista" está fora do escopo deste artigo. Suas Survivals e New Arrivals estão mais perto do meu assunto. O Islã, ele previu, retornará porque o Islã é uma ameaça permanente à Fé. O Islã retornou. O cristianismo bíblico ou bibliolatria poderia retornar, mas provavelmente não irá: Belloc estava errado. O fundamentalismo está conosco em todos os lugares hoje nos Estados Unidos: vulgar, como Belloc disse que sempre foi, primitivo em pensamento, como assinalou Belloc; sofisticado no uso de uma tecnologia eletrônica que ele não poderia ter previsto. O arianismo, cujo nome moderno é modernismo, voltou com vingança na Igreja. Belloc esboçou essa possibilidade também. Todas as suas previsões neste livro interessante foram bem fundamentadas, mas essa argumentação, ele admitiu, é muitas vezes ridicularizada pelo mistério do futuro. Sua capacidade de raciocínio realmente se destacou em várias controvérsias: uma com Cupom sobre o catolicismo medieval, em que Coupon acertou os fatos, mas virou a foto de cabeça para baixo; um com HG Wells sobre a origem do homem, onde Belloc reclamou privadamente que a Igreja o impediu porque engoliu "todo o folclore hebraico"; e, finalmente, um com Dean Inge, onde Belloc prega seu inimigo na parede.
Depois de responder ponto por ponto, as objeções de Dean Inge ao catolicismo - algumas delas eram infantis: nenhum homem pode ser inglês e católico; outros eram cruéis: a Igreja é "uma associação sangrenta e traiçoeira" e um "impostor" - Belloc concluiu sua carta aberta com a seguinte peroração. Eu imploro a sua permissão para ler como ele escreveu:
Lá você escapa totalmente do caráter da Igreja Católica ... Você é como alguém que examina as janelas de Chartres de dentro, à luz de velas, mas temos o sol brilhando. . . . Pois o que é a Igreja Católica? É aquilo que responde, coordena, estabelece. É aquilo dentro do qual está a ordem correta; fora das pressões e dos desesperos. É a posse de perspectiva na pesquisa do mundo ... Aqui só é promessa, e aqui só é fundamento. Aqueles de nós que possuem uma dotação tão estável não reivindicam assim a paz pessoal; nós não somos salvos desse modo sozinhos ... Mas nós somos de uma companhia tão gloriosa que recebemos apoio e temos comunhão. A Mãe de Deus também é nossa. Nossos mortos estão conosco. Mesmo nessas nossas misérias terrenas, sempre ouvimos o som distante de uma música eterna e cheiramos um ar nativo. Há um padrão estabelecido para nós, em que todos os nossos eus respondem, que é o de uma vida herdada e infinita, bastante completa, em nosso próprio país. Você pode dizer "tudo o que é retórica". Você estaria errado, pois é bastante visão, reconhecimento e testemunho. Mas aceite isso como retórica. Você tem algum tal? Seja apenas retórica, de onde corre esse fluxo? Ou que reserva é aquela que pode preencher até um homem como eu com fogo? Sua opinião (ou dúvida ou ginástica) pode ser a mesma? Eu acho que não! Uma coisa neste mundo é diferente de todas as outras. Tem uma personalidade e uma força. É reconhecido e (quando reconhecido) é mais odiado ou amado com violência. É a Igreja Católica. Dentro dessa casa, o espírito humano tem teto e lar. Lá fora é a noite.
Em haec urbe lux
sollennis,
Ver aeternum, pax
perennis
Et aeterna gaudia.
 
Ele escreveu uma vez que os franceses são abençoados pela capacidade de se criticar e superar suas próprias críticas. Seja como for, Hilaire Belloc raramente criticou a Igreja. Ele a amava demais. Ele nunca respondeu a ataques pessoais de colegas católicos. Teria sido, ele disse, um pecado contra seu próprio corpo. Os tempos mudam, e hoje um escritor católico pode ter uma boa vida atacando sua própria mãe. Mas Hilaire Belloc, acoplado na memória sempre com seu grande amigo GK Chesterton, fez da defesa da Fé o principal negócio de sua vida. Ele empunhava uma poderosa espada. "Gigantes autem erant in terram in diebus illis." "Havia gigantes na terra naqueles dias" (Gn 6: 4). Mas a espada de Hilaire Belloc foi enterrada com ele. Eu duvido gravemente se veremos o dele novamente.
divisória

fonte

Wilhelmsen, Frederick D. "Hilaire Belloc: Defensor da Fé". Em The Catholic Writer: The Proceedings of the Wethersfield Institute 2 (1989): 83-95.
Reproduzido com permissão do The Wethersfield Institute.

O autor

O falecido Dr. Frederick D. Wilhelmsen era professor de filosofia e política na Universidade de Dallas, Irving, Texas. Ele escreveu mais de 250 artigos e quatorze livros, entre eles o Cristianismo e a Filosofia Política , Cidadão de Roma e Ser e Saber . Pouco antes de sua morte, no início de 1996, ele estava trabalhando em uma coleção de aventuras e reflexões da vida e navegando pelos mares do alto, intitulado Under Full Sail: Reflections and Tales .
Copyright © Ignatius Press

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...