"Como um cientista e um cristão, eu diria que as afirmações de Hawking são equivocadas".


Por John Lennox


Não há como negar que Stephen Hawking é intelectualmente ousado, bem como fisicamente heroico. E em seu último livro, o renomado físico monta um desafio audacioso para a crença religiosa tradicional na criação divina do universo.
De acordo com Hawking, as leis da física e não a vontade de Deus são responsáveis pela verdadeira explicação de como a vida surgiu na Terra. O Big Bang argumenta que foi a inevitável consequência destas leis, "porque há uma lei como a gravidade, portanto o Universo pode e vai criar a si mesmo do nada."
Infelizmente, enquanto o argumento de Hawking está sendo saudado como controverso e inovador, ele não é novo.
Por anos, outros cientistas têm feito afirmações semelhantes, sustentando que a incrível criatividade sofisticada do mundo que nos rodeia pode ser interpretada unicamente com base em leis físicas, tais como a gravidade.
É uma abordagem simplista, mas em nossa era secular parece ser bem vista com um público cético.
Mas, tanto como um cientista e um cristão, eu diria que as afirmações de Hawking são equivocadas. Ele nos pede para escolher entre Deus e as leis da física, como se eles estivessem necessariamente em conflito mútuo.
Mas, ao contrário do que afirma Hawking, as leis da física nunca poderiam fornecer uma explicação completa do universo. Leis em si não criam nada, elas são apenas uma descrição do que acontece sob certas condições.
O que Hawking parece ter feito é confundir lei com a agência da lei. Seu chamado para escolher entre Deus e física é um pouco como alguém exigindo que escolher entre o engenheiro aeronáutico Sir Frank Whittle e as leis da física para explicar o motor a jato.
Essa é uma confusão de categoria. As leis da física podem explicar como funciona o motor a jato, mas alguém tinha de construir, colocar combustível e iniciá-lo. O jato não poderia ter sido criado sem as leis da física por conta própria, mas a tarefa de desenvolvimento e criação, foi necessário a genialidade de Whittle como seu agente.
Da mesma forma, as leis da física nunca poderiam ter realmente construído o universo. Alguns agência deve ter sido envolvido.
A usar uma analogia simples, as leis do movimento em si de Isaac Newton jamais enviaram uma bola de sinuca em todo o pano verde. Isso só pode ser feito por pessoas que usam um taco de de bilhar e as ações de seus próprios braços.
O argumento de Hawking me parece ainda mais ilógico quando ele diz que a existência da gravidade significa que a criação do universo era inevitável. Mas como é que a gravidade existe, em primeiro lugar? Quem colocou lá? E qual foi a força criativa por trás de seu nascimento?
Grande parte do raciocínio por trás do argumento de Hawking está na ideia de que existe um conflito profundo entre a ciência e a religião.
Para mim, como um cristão, a beleza das leis científicas somente reforçam a minha fé em uma força inteligente criativa. Quanto mais eu entender a ciência, mais acredito em Deus por causa da minha admiração com a amplitude, sofisticação e integridade de sua criação.
A razão científica floresceu tão vigorosamente nos séculos 16 e 17, precisamente devido à crença de que as leis da natureza estavam sendo descobertas.
Um dos temas fundamentais do Cristianismo é que o universo foi construído de acordo com um projeto racional e inteligente. Longe de estar em desacordo com a ciência, a fé cristã realmente faz sentido científico .
Alguns anos atrás, o cientista Joseph Needham fez um estudo épico do desenvolvimento tecnológico na China. Ele queria saber por que a China tinha caído tão longe atrás da Europa no avanço da ciência.
Ele relutantemente chegou à conclusão de que a ciência europeia tinha sido estimulada pela crença generalizada em uma força criativa racional, conhecido como Deus, que fez todas as leis científicas compreensíveis.
Apesar disso, Hawking, como tantos outros críticos da religião, tentam nos fazer crer que nada mais são que uma coleção aleatória de moléculas, o produto final de um processo irracional.
Isso, se for verdade, seria minar a própria racionalidade que precisamos para estudar a ciência. Se o cérebro fosse realmente o resultado de um processo não dirigido, então não há nenhuma razão para acreditar em sua capacidade de nos dizer a verdade.
Vivemos na era da informação. Quando vemos algumas letras do alfabeto soletrando o nosso nome na areia, a nossa resposta imediata é a de reconhecer o trabalho de um agente inteligente. Quanto mais provável, então, é um criador inteligente por trás do DNA humano, o colossal banco de dados biológico que contém nada menos do que 3,5 bilhões 'letras'?
É fascinante que Hawking ataca a religião e sente-se compelido a colocar tanta ênfase na teoria do Big Bang. Porque, mesmo que os não-crentes não gostem, o Big Bang se encaixa exatamente com a narrativa cristã da criação.
Além disso, as experiências religiosas de milhões de crentes não podem ligeiramente ser demitido. Eu e minha família podemos testemunhar a fé edificante em nossas vidas, algo que desafia a ideia de que somos nada mais do que uma coleção aleatória de moléculas.
Tão forte é a realidade óbvia de que somos seres morais, capazes de compreender a diferença entre o certo e o errado. Não há rota científica para à ética.
A física não pode inspirar a nossa preocupação com os outros, ou o espírito de altruísmo que existe nas sociedades humanas desde a aurora dos tempos.
A existência de um conjunto comum de valores morais aponta para a existência de uma força transcendente além das leis científicas.
Hawking também pensa que a existência potencial de outras formas de vida no universo mina a tradicional convicção religiosa de que estamos vivendo em um único, o planeta criado por Deus. Mas não há nenhuma prova de que outras formas de vida estão lá fora, e Hawking certamente não apresenta nenhuma.
Me diverte que os ateus afirmem muitas vezes a existência de inteligência extra-terrestre fora da Terra. No entanto, eles estão muito ansiosos para denunciar a possibilidade de que já temos um vasto e ser inteligente lá fora: Deus.
Nova tentativa de Hawking não pode abalar os fundamentos de uma fé que se baseia em evidências.

Fonte:
Dailymail
God's Undertaker: Has science Buried God? by John Lennox is out now (Lion Hudson, £8.99). 



Att,
Guilherme de Sousa Francisco
Acadêmico do curso de Licenciatura em Física
Universidade Federal de Goiás (UFG)



fonte: Cresça na Graça e Conhecimento: "Como um cientista e um cristão, eu diria que as afirmações de Hawking são equivocadas".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...